De traço da personalidade à problema psicológico, a timidez é bastante comum durante a infância e indica uma dificuldade de se posicionar diante das situações sociais. Mas como os pais podem identificar o limite e não permitir que ela se transforme em sofrimento para a criança?

Sair do núcleo familiar e encarar o olhar de outras pessoas pelo mundo é uma mudança que traz insegurança para os pequenos. Ainda não estão acostumados com a imensidão de possibilidades, tudo ainda é muito novo para eles.

Quando uma criança ainda não desenvolveu autoconfiança o suficiente, sente-se desconfortável e com medo diante de circunstâncias desconhecidas. Por ela não saber como lidar com o outro ou com novos desafios, evita contatos e novas experiências.

Como Psicóloga, costumo orientar aos pais para que se atentem as dificuldades dos filhos no que diz respeito à comportamentos e sentimentos. Muitas vezes a timidez se arrasta da infância para a adolescência e vida adulta, trazendo prejuízos não somente pela interação social, mas a nível escolar e profissional. Pela falta de habilidades na comunicação, jovens perdem grandes oportunidades e experiências diferenciadas por não saber expressar todo o seu potencial.

Saber identificar traços pessoais que estão gerando desconforto emocional nos filhos ainda pequenos é essencial para que, a partir disto os pais busquem auxílio profissional o quanto antes. Desenvolver um manejo social ainda na infância resulta em confiança e autoestima. Devido as pesquisas realizadas nas últimas décadas, hoje sabemos que uma elevada inteligência emocional vale muito mais no que diz respeito à sucesso tanto pessoal quanto profissional do que o QI.

Incentivar a criança a superar seus medos, a experimentar novos relacionamentos e situações com coragem e a segurança da supervisão dos pais pode ajudar. Conversar com ela sobre os seus sentimentos e dificuldades, buscar compreender a sua forma de ver o mundo para então orientá-la.

Entretanto, caso perceba que a criança não evolui, busque a psicologia para auxiliar a família. Desenvolver novas competências com ferramentas especializadas sempre é a melhor solução diante das dificuldades. Esperar que as fases passem por si só, por meses ou até anos, trazem prejuízos nas capacidades sócio emocionais pois perde-se a oportunidade de introduzir novas aprendizagens que serão levadas para a vida toda.

Há diversos relatos de pessoas que sofreram muito pela timidez e só conseguiram superar estas dificuldades anos depois de se tornarem adultos, sendo que isto seria facilmente resolvido se os pais tivessem procurado ajuda profissional. A fobia social, um verdadeiro pavor de se expor em público é a evolução de quadros relacionados à timidez não solucionados anteriormente. Além disto, a introspecção infantil pode acarretar em baixa autoestima, depressão e bullying pela falta de manejo nas relações interpessoais em idade escolar.

Dami Côrtes, Especialista em Famílias, Psicologia Relacional Sistêmica, Psicologia do Desenvolvimento, Neuropsicologia aplicada à Neurologia Infantil, Psicologia Positiva, Mindfulness e Inteligência Emocional.