Existem dois sentimentos que se contradizem e não conseguem existir juntos: a felicidade e a culpa. Se me sinto culpado não consigo ficar feliz. Grande parte das mães relatam viver este dualismo diariamente e concordam que a culpa é o sentimento negativo que possuem maior dificuldade em lidar. Mas será que ela pode trazer malefícios na relação com seu filho?

Não importa a quantidade de coisas boas que realizamos no dia, basta uma dar errado e a nossa mente se apega naquilo. Isto é por que o negativo possui um peso em torno de 3 vezes maior que o positivo para nosso cérebro. A culpa é um sentimento negativo que chega de mansinho. É o amamentar que não foi possível, é o ir trabalhar e deixar na creche. Muitas vezes são as pessoas ao nosso redor que dizem algo ou nos julgam e pronto, já basta para ela se instalar em meio aos nossos pensamentos.

 O tamanho do impacto da culpa em sua vida e na vida de sua família vai depender de como você lida com ela. Se o sentimento se fortalecer a cada dia pode ser capaz de consumir a sua energia e com isto, roubar a qualidade de sua presença e, consequentemente, a sua felicidade.

Quando temos pensamentos negativos costumamos não agir por ficarmos desanimados, logo, menos vontade temos de fazer atividades que possam nos divertir e isso nos faz sentir culpados por não conseguir realizar o que gostaríamos. Simplesmente um ciclo vicioso que devemos nos libertar. Podemos começar identificando o que nos leva a sentir culpa. Ao identificar o que de fato nos perturba temos a opção de escolher o que fazer a respeito disto. Buscar uma solução ao invés de ficar remoendo nos leva a um movimento positivo.

Para elevarmos o nosso bem-estar precisamos nos concentrar no que é bom. Quando buscamos os fatores positivos de determinado problema ou dificuldade, alteramos a maneira de vê-lo. Pode ser que seu coração fique apertado toda vez que vai para o trabalho. Porém se você pensar na quantidade de interações diferentes que tanto você quanto a criança terão neste período afastados, verá que isso também pode ser tão bom quanto estarem o dia inteiro juntos. Ou então precisa ir ao salão para fazer as unhas e pintar os cabelos. Acione sua rede de apoio sem culpas por cuidar de si, isso é essencial para alimentar a sua autoestima. Uma mãe que se ama e se cuida é muito melhor do que aquela que está se sentindo feia, esgotada e infeliz.

Invista o seu tempo em realizar atividades que te façam sentir-se bem e feliz, com sua criança ou sozinha, toda a relação precisa deste equilíbrio e a parental não é diferente. Há famílias que negligenciam totalmente o casamento e a relação conjugal por exemplo em prol dos filhos. Porém esquecem que a base de uma família formada por um casal é o amor e o cuidado de um com o outro. Quando surgem os problemas conjugais as crianças são as que mais sofrem de todo o sistema. Casal feliz, filhos saudáveis, família feliz. Deixem a culpa do lado de fora da porta e permitam-se a, pelo menos uma vez por semana dar uma voltinha a dois. Fortaleça todos os pilares que a energia se renova e o amor flui com maior leveza.

Os filhos são reflexo dos pais. Lembrar disto todos os dias nos faz criar o hábito de observar quais são os sentimentos que prevalecem em minha rotina. São estes sentimentos que as crianças irão absorver e adotar em seus padrões de funcionamento no decorrer da vida. Portanto ligue os alertas quando o negativo quiser fazer uma visita e reaja buscando alternativas para elevar a sua felicidade, livre da culpa e das desculpas.

Dami Côrtes, Especialista em Famílias, Psicologia Relacional Sistêmica, Psicologia do Desenvolvimento, Neuropsicologia aplicada à Neurologia Infantil, Psicologia Positiva, Mindfulness e Inteligência Emocional.